quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A maturidade que a dor nos traz


O ano de 2016 foi caótico pra quase todo mundo.  Foi um ano de crise econômica mundial, e pra nós aqui no Rio de Janeiro ainda houveram alguns agravantes.  Muito desemprego, desestabilização.    Além disso, cada um enfrenta seus problemas particulares.  Para mim, não me lembro de passar um ano tão difícil, desempregada, deprimida e com a saúde péssima.
Agora esperanças renovadas, não porque é ano novo, porque eu não conto o ano novo, e sim o dia novo toda manhã ou conto como recomeço quando tomo decisões que podem mudar minha vida.  E eu tenho entendido algumas coisas sobre a vida, e percebido a causa do meu sofrimento ao avaliar meus pensamentos em relação a vida e as pessoas que me cercam.

Quando você passa por problemas graves você começa a pensar em todo sofrimento desnecessário e toda futilidade que um dia você pensou ser importante.  Seja problemas de saúde ou emocionais, eles te fazem pensar se vale a pena tanto esforço para conseguir dinheiro, tanto sofrimento pra ficar aceitavelmente bonita para os outros, com saltos, cabelos sempre feitos que nem te permitem sentir a chuva ou receber um afago, a besteira que é mudar seu modo de ser pra agradar.  A obrigação de sorrir e estar sempre feliz.  De usar as redes sociais pra mostrar como sua vida é “maravilhosa”.  Quando você se sente incapacitada pensa na obrigação de ser sempre útil e produtiva.  E o trabalho que dá cuidar de cada acúmulo desnecessário. E a preguiça de escolher a roupa num mar de roupas e na bagunça do seu guarda-roupa, como seria bom se tudo fosse mais neutro e se combinasse e fosse fácil escolher.

Se você não está sempre bem, e tem que escolher bem suas tarefas, ou se não tem dinheiro e tem que escolher bem suas compras, você aprende a ser bem mais seletivo.  A ver quais são as coisas mais importantes. Isso é maravilhoso!  Permita-se refletir. Porque se tem algo que a dor, a dificuldade financeira e a depressão não tiraram de você, foi sua capacidade de pensar e avaliar a vida e o mundo.  Não perderá mais tempo com banalidades, e muito menos com falsidades.  Mentiras pra quê? Agradar pra quê? Dá muito trabalho manter uma máscara no rosto, mostre-se ao mundo como você é, ainda que você não seja o protótipo ideal que a mídia nos ensinou ser o certo.
Sinta seu sofrimento, mas não se apegue a ele.  Permita-se chorar, deitar e pensar, conversar sobre com amigos VERDADEIROS, mas de forma alguma se apegue a ele.  Mesmo que seus problemas não tenham ainda solução, deixe o sofrimento passar assim que você aprender com ele e entender como lidar com os problemas.  Sim, ele vai voltar vez ou outra.  Mas não o convide para morar com você, saiba que ele vai chegar, mas vai partir.  Use-o para se tornar mais forte e sábio, mais resistente.  Não permita apenas que seja em vão.

E lembre-se: Se o que é bom acaba, o que é ruim também.  Quase tudo é transitório e passageiro nessa vida.

Um comentário:

  1. Olá minha querida!!

    Não podia concordar mais com o que o título do teu post.
    A verdade é que nós devemos mesmo agradecer por tudo o que a vida nos dá. E nisso também se inclui as coisas más. Por muito que nos custe, temos que admitir que com elas vêm sempre grande lições de vida. E isso é muito positivo. Logo só confirma a teoria que até as coisas más têm o seu lado bom!
    Beijinho grande grande.

    PS: Estou a adorar a tua nova postura, muito mais positiva,sente-se bem o quanto estás a crescer!

    ResponderExcluir