terça-feira, 15 de novembro de 2016

Estou num círculo vicioso

Aprender algumas coisas, sair da escuridão que há em mim, começar a realizar algumas coisas e rapidamente cair na escuridão novamente...

O tempo passa, e passa rápido. E eu tenho visto o tempo passar assustada com o rumo que a vida está tomando. Não tenho feito nada. Parei de subir e agora estou indo apenas ladeira abaixo. Estranho falar isso assim publicamente. É tão assustador assumir fracassos. Gosto tanto desse espaço aqui e ele fala tanto sobre mim, porque eu fiz de mim o meu maior projeto. Mas ele era um tanto ambicioso demais.  Pensei ser especial, pensei ser diferente, pensei demais de mim, talvez para justificar o fato de que eu não me encaixo. Não sei mais quem eu sou, embora eu saiba exatamente o que quero ser.

Só quero ser simples e útil. Ser amada pelo que sou. Ter apenas pessoas verdadeiras ao meu redor, afastar a maldade e a falsidade. Só quero ter uma mente pura, e só saber o que é preciso para evoluir.  Executar bem minhas funções. Cumprir minhas promessas(as que fiz para Deus, para outros e para mim mesma). Ter mais saúde. Desfrutar de bons momentos, fruto de um trabalho bem feito. Viver, e não assistir a vida.

Mas eu não sei o que sou. E tenho deixado a vida ir sozinha e fico parada vendo pra onde ela me leva. Como se eu fosse carona num carro que está andando sozinho e não soubesse dirigir pra tomar o controle. Sei que já passou da hora de aprender a dirigir minha vida.  Quando comecei a escrever aqui os momentos de estagnação eram poucos, e eu estava de verdade indo muito bem.  Mas este ano especificamente... foi um dos piores. E eu só quero aproveitar o restinho dele para que não seja de todo um lixo.
Pensei em desistir.  A maior parte do tempo eu só quero dormir, mas aí é a depressão falando. Pensei em muitas coisas negativas. Hoje, neste momento, veio uma pequena esperança e uma grande tristeza, medo de tentar e fracassar.

Eu não quero só aceitar o que a vida me dá. Eu sei que a maioria se contenta com isso, mas eu não.  Eu quero fazer minha vida. Escolher. Eu não sei viver acompanhando as ondas, deixando a correnteza me levar.
E é claro, que pra viver, você tem que sair do seu casulo, da sua proteção, e simplesmente ir. Quando passamos tempo demais sozinhos em casa, presos a rotina, não conseguimos nada, só nos concentrar mais em nós e em nossos sentimentos negativos. É preciso viver. Ter contato com outros. Fazer coisas. Ver coisas e pessoas. Conhecer novos sabores, lugares, amigos, sensações. Desenvolver novas habilidades.
Não quero mais fazer promessas, nem marcar compromissos. Eu só vou falar do que fiz. Dos planos concretizados. Não tô tendo muito pra falar depois que tomei essa decisão não é mesmo?
Mas se as coisas mudarem... se eu conseguir... aqui estará meus registros. Aqui no meu mundo. Aqui onde eu posso ser eu mesma, mesmo quando sou um total fracasso. E no fim... ainda há um fio de esperança de que eu vou me levantar, e as coisas vão dar certo.