domingo, 13 de março de 2016

Prêmio dardos



Fui indicada ao prêmio dardos pelo blog Meu Diário Minimalista.  E não consigo descrever minha felicidade. Primeiro porque veio de um blog que eu gosto muito, que admiro, e que eu não imaginava que pudesse gostar do meu blog também.  E mais, estar entre os 8 blogs que foram considerados merecedores, UAU!  E mais, estar na mesma lista de blogs que acompanho e amo! Só dificultou um pouco minha escolha porque eu indicaria certamente todos que já foram escolhidos junto comigo.

Vou copiar de o texto que explicou como surgiu o prêmio:

"O Prêmio Dardos é uma espécie de selo virtual criado em 2008 pelo escritor Alberto Zambade, autor do Blog Leyendas de “El Pequeño Dardo” El Sentido de las Palabras. Ele selecionou e indicou o selo a quinze blogs que ele considerou merecedores do prêmio, os quais também indicaram outros 15 e assim sucessivamente, criando uma imensa corrente na internet.

O objetivo do Prêmio Dardos é reconhecer os esforços de blogueiros, a cada dia, para transmitir princípios culturais, éticos, literários, pessoais etc., manifestando a criatividade através de seus pensamentos presentes em suas palavras e textos."

Regras aos indicados:
  1. Indicar os blogs que preencham os requisitos acima para receber o prêmio
  2. Exibir a imagem do Selo
  3. Mencionar o blog que te indicou e por o link dele
  4. Avisar aos blogs escolhidos.


Minhas indicações:



Sei que foram poucos, mas é que junto comigo foram indicados o Viver sem Pressa, Frugalidades, Anna Costa, Desacelera, Camila!, Uma Vida Mais Simples e o Nada de Compras. Certamente seriam minhas indicações também.(Estão na lista ao lado-----> )

Sei que textos longos não atraem muitas pessoas, mas vou colocar aqui um texto que escrevi sobre a escrita na minha vida, ele faz parte de um texto inacabado com intenção de mini-livro. E Alice sou eu, história iniciada no Ensino Médio por uns colegas que fizeram um personagem de quadrinhos que me representava, Alici.
O texto abaixo começou com uma crônica que escrevi, eu gostei da crônica. Mas ao continuar escrevendo achei que tudo começou a parecer um livro adolescente. E deixei de gostar. Mas como eu perdi a noção do ridículo, tá aí:

*******

"A escola não era um lugar legal. Definitivamente. Tirando as histórias dos livros de português, e as palavras de professores que sabiam coisas que ela não sabia.  E ela queria saber das coisas, ela queria saber muitas e muitas coisas.  Mas parece que não cabe muita coisa na cabeça da gente. A gente aprende uma coisa pra esquecer de outra, e isso não é justo.

Um dia surgiu uma professora que citou uma palavra bem mais legal: Redação! Alice nem sabia como era esse negócio, mas ela gostou de como essa palavra soava.  Aí ela disse que era pra escrever uma história, sobre as férias, tão clichê.  Alice nunca passeava nas férias. Nunca. Ela nunca havia ido ao cinema e nem a praia. Ela nunca havia feito nadica de nada.  Mas aí entrou a parte legal, a professora muito animada disse:
-Pode ser história real ou se quiserem podem inventar.

Inventar?  Não seria a vida bem mais interessante se pudéssemos inventá-la?  Então pela primeira vez a pequena menina escreveu. Uma história inventada. E daí? Era uma história legal. Era a história que ela queria ter vivido naquelas férias. 
Alice descobriu então algo grandioso. Ela podia ter a vida do jeito que queria. Ao menos no papel. E descobriu algo mais. Apesar da sua total incapacidade de expressar-se oralmente por causa daquelas pessoas estranhas, sempre olhando e fazendo julgamentos terríveis.
Julgamentos terríveis, sempre para me sentenciar a morte.
O papel é gentil. Não faz julgamentos. Quando a gente olha pra ele, ele nem nos olha de volta de tão legal que ele é.

A professora é gente boa. Ela me deu a minha salvação e eu nem mesmo tinha pedido ajuda."

4 comentários:

  1. Bom dia, Pri!

    Primeiro, parabéns pelo prêmio e pelos indicados. Realmente tem muito blog bom por esse mundinho "internético" e estes sempre sobreviverão.

    Quanto a ler... bom... a gente sabe que hoje em dia o "curtir" é bem mais prático e as pessoas estão preferindo "as figurinhas", mas amo ler e não deixo comentários se não ler o post, afinal sempre podemos aprender. E o objetivo do blog é esse: compartilhar, ter leitores, criar laços...

    Agora... amei sua crônica, texto ou início de um mini-livro... Parece que me descrevia. Eu odiava redação por causa do tema "minhas férias" pq eu era como Alice. Porém, não lembro da professora dizer que podia inventar, mas eu tinha que inventar, ia escrever o quê? rsrs. E realmente, apesar da fome de saber, é muito injusto a cabeça não comportar tudo... parece que a cada dia damos boot e o sistema recomeça com dados perdidos rsrs.

    Abração esmagador e ótimo dia.

    ResponderExcluir
  2. Ola, menina!
    Sou suspeito em dizer, mas vou dizer mesmo assim...
    Que crônica gostosa de ler!
    E como assim, não gostou pois " parecia um livro adolescente"???
    Obs.: Parabéns pelo prêmio!
    Até breve!

    ResponderExcluir
  3. Minha coisa querida!!
    Primeiro que tudo parabéns pelo prémio e obrigado por nomeares a mim!!
    Confesso que já tinha vindo aqui, mas não tinha tido o tempo certo para dedicar mais atenção às tuas palavras. Adorei o teu texto. Tem algo que nos faz imaginar. E se achas que está com um toque para público adolescente, porque não experimentar? Já pensaste que podes conseguir transmitir uma mensagem bem interessante para esse público alvo? Eu acho até que pode correr bem fazer histórias para crianças também... Te expressares é algo único e super genuíno. Experimenta! E me conta como foi! :-)
    Beijinhos!!!

    ResponderExcluir
  4. Pri, parabéns e obrigada pela indicação! Vou ter que reler para entnder como funciona. Muito obrigada!
    Eu gosto de ler e gostei da tua crônica. Acho que deverias investir na escrita! Algumas pessoas já deram indiretas nos comentários do meu blog, meio que reclamando, que escrevo demais. rerere Quem não quiser ler, que veja as figurinhas,né?!
    Bjinho!

    ResponderExcluir